Categories

Página inicial > AÇÃO TERRA > Movimentos Socias > MST > Governo paga muito para evitar briga com ruralistas, acusam (...)

Para MST, compra de terra beneficia os latifundiários

13 de fevereiro de 2008
LRAN

Governo paga muito para evitar briga com ruralistas, acusam sem-terra

Roldão Arruda

A decisão do governo federal de acelerar o ritmo das desapropriações de terras para a reforma agrária, divulgada ontem pelo Estado, foi recebida com desconfiança pelos sem-terra. Segundo João Pedro Stedile, principal líder do Movimento dos Sem-Terra (MST), embora o governo faça estardalhaço em torno da quantidade de terras improdutivas desapropriadas, o seu principal meio de levar adiante a reforma tem sido a compra de terras.

"O governo vem gastando mais de um bilhão por ano em compras à vista", afirmou Stedile. "Isso é um prêmio ao latifúndio. Já as desapropriações, que estavam na faixa de um milhão de hectares por ano, caíram para 200 mil. Ridículo."

Para o diretor de política agrária da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Paulo Caralo, as compras estariam sobrevalorizando a terra em algumas regiões do País. Tanto Stedile quanto Caralo querem que o governo altere os índices de produtividade rural, em vigor desde 1975 - o que permitiria aumentar as desapropriações. "O governo teme a bancada ruralista", disse Caralo.

Na reportagem do Estado, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, informou que só em janeiro e fevereiro o governo desapropriará 255 mil hectares - volume superior às desapropriações do ano passado, de 207 mil hectares.

Na opinião de Stedile, o governo não vê a reforma como parte de um projeto de mudança da estrutura fundiária. "O total de 200 mil hectares arrecadado no ano passado é menor que os 500 mil hectares que o banqueiro Daniel Dantas, com seu Opportunity, comprou no Pará", observou. "O que está em curso é uma política de compensação social, que não tira os camponeses da pobreza."

Por outras razões, o presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, também criticou a decisão de acelerar as desapropriações. "É lamentável que o governo insista nesse projeto de reforma agrária incapaz de promover o bem-estar social. O pior é que somos nós, produtores e contribuintes, que pagamos a conta do fracasso."

Comentarios

Responder a esta matéria